Como amar sua sogra...

Hoje vamos falar sobre a minha sogra. E não é piada como pode parecer.
Tampouco é um artigo duplicado, pois o outro que eu tinha feito, sumiu. Como foi um artigo que teve bastante visualização, achei por bem fazer outro.


Moro com meus sogros, já faz mais de 8 anos, desde o começo quando comecei a namorar meu marido. E nosso relacionamento, inclusive com a minha sogra é o mais natural possível.
Como em qualquer relacionamento, nós discutimos, opinamos, nos ajudamos, ficamos tristes uma com a outra, mas tudo acaba com um bom diálogo e um abraço afetuoso de perdão.

Amo minha sogra como eu amo minha mãe.

Percebo também que muita gente quando conhece o nosso relacionamento, se espanta. Porque existe um paradigma muito cruel a respeito desta figura. Milhares de piadas de mau gosto circulam na internet e na boca do povo.

Já conheci sogras horríveis e cruéis. Daquelas de desligar a energia quando a nora ia tomar banho, entre outras tantas maldades ditas quando se está com as amigas e que faz tudo para ver a coitada na pior.
Existem noras também que não é boa coisa.

Vejo também relação entre noras e sogras que tem tudo para dar certo. Mas criam uma barreira emocional que as mantêm distantes. Barreira esta, imposta pela sociedade, por este paradigma infeliz que precisa ser quebrado. Pois é muito prejudicial para a família, para a relação com o cônjuge e com os filhos.

A falta de diálogo, de aceitação do outro é o maior problema em qualquer relacionamento.

Se você tem uma sogra cruel, não se entristeça. Modifique sua postura e sua visão sobre ela. Converse, dê um presente,  agrade-a, elogie-a e  você verá uma grande diferença. Aceite a opinião dela, leve em consideração o que ela diz. Isso pode fazer uma grande diferença na sua vida. Igualmente para quem tem uma nora e não se dá muito bem com ela.
O aprendizado e o crescimento que você terá com esse relacionamento é impressionante. 


Felicidades a todos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Me ajudem a melhorar, preciso saber o que vocês acharam.
Fiquem à vontade.